YAMAHA FAZER 2018 OU HONDA CB TWISTER? QUAL A MELHOR? VEJA COMPARATIVO

0

Desde o lançamento da Twister em 2001 e de sua rival Fazer, em 2005, Honda e Yamaha polarizam a disputa por compradores de 250cc. Um novo capítulo dessa história começa agora, com a chegada ao mercado da nova Fazer apresentada mês passado no Salão Duas Rodas, em São Paulo (SP). Quase tudo nela mudou – “quase” porque o motor ainda é o mesmo, com modificações na caixa de ar, injeção eletrônica e escapamento, curto e de som mais grave. O câmbio continua de 5 marchas, mas a coroa ganhou um dente para deixar as respostas ao acelerador mais rápidas.

Entre as mudanças completas é inevitável começar pelo chassi, agora do tipo diamond fixado às extremidades do motor em vez do berço duplo no qual tubos passam por baixo do propulsor. Usando o motor como parte da estrutura o chassi ficou mais rígido e leve. O ângulo de cáster foi diminuído no novo garfo de suspensão e o amortecedor recebeu mola progressiva na traseira. Nas rodas com desenho semelhante ao das MT os pneus são Pirelli Sport Demon, não radiais, mas que se saem bem em uso urbano. E o ABS passa a ser item de série. Obviamente o que mais chama atenção é o design mais esportivo, “encorpado” e próximo das MT, com entradas de ar, banco bipartido, farol e lanterna de LEDs, que a fazem parecer uma moto de maior cilindrada. Esteticamente sem dúvida conquista mais do que a Twister.

Hora de acelerar

Começamos o teste rodando pela cidade e por estrada, com e sem garupa, e finalizamos no autódromo do Haras Tuiuti, onde realizamos as medições de performance e do tempo de volta rápida de cada uma. Boa ergonomia e posição de pilotagem confortável são comuns às duas, que em trânsito pesado fazem o ziguezague entre os carros com facilidade. Nitidamente as suspensões da Yamaha ficaram mais rígidas, transmitem mais os impactos para piloto e garupa. A Twister é mais confortável, no que a espuma macia do banco também ajuda, pena que não tem o formato anatômico dos assentos separados da Fazer, que se “encaixa” melhor.

O painel das duas é completamente digital, bem equivalentes nos dados que exibem, mas em algumas situações com sol e reflexo direto o esquema negativo da Honda (fundo preto com números claros) é mais difícil de ser lido. Nenhum dos dois tem indicador de marcha – aliás, só a Twister tem a 6ª e isso torna a viagem em velocidade de cruzeiro mais agradável, com menos ruído e vibração. Em subidas mais longas também precisou de reduções com menos frequência do que a Fazer.

Já na pista disputamos, eu (Ismael Baubeta) e Leandro Mello, quem completaria as voltas na frente. Apesar dos 10 kg a mais do Leandro ficou nítida a vantagem da Honda, e o resultado se manteve quando trocamos de motos. Com motor de 4 válvulas a Twister funciona melhor em altas rotações, potência e torque são claramente superiores a partir de 4.500 rpm. Já a Fazer com 2 válvulas entrega um torque constante e próximo de seu máximo já a 2.500 rpm (veja os gráficos na galeria de imagens). O dinamômetro revelou também que nas unidades avaliadas a diferença de performance dos motores era maior que a divulgada nas fichas técnicas: a Twister rendeu quase 2,5 cv a mais de potência máxima e 0,3 kgf.m de torque máximo (as fabricantes informam potências de 22,4 cv e 21,3 cv e torque de 2,2 kgf.m e 2,1 kgf.m). No 0-100 km/h, executado na pista de testes, a Honda precisou de 11s19 e a Fazer de 11s86.

Depois de extrair o melhor tempo de volta possível com cada moto, e ficar impressionado com a diferença de 3 segundos a favor da Twister (1min15s44 contra 1min18s65), Leandro explicou que o conjunto de motor e câmbio da Honda não foi o maior responsável pelo bom resultado: “Os pneus radiais Pirelli Rosso II fizeram muita diferença na estabilidade e na aderência nas curvas, são mais esportivos e me permitiam contornar mais rápido e com mais segurança, já os Sport Demon da Fazer têm perfil mais urbano. O Rosso II é um pneu usado também por motos de alta cilindrada.”

A Yamaha melhorou o sistema de freio, que agora não transmite aquela sensação “borrachuda” e imprecisa ao se pressionar a alavanca. A 100 km/h precisou de 53,2 metros até a parada completa, já a Twister rodou 48,9 metros. Pouco mais de 4 metros equivale ao comprimento de um carro, variação ainda grande (a Twister testada era da versão ABS).

Nossa conclusão é que a nova Fazer é esteticamente mais refinada e imponente que a Twister, enquanto a Honda entrega melhor performance geral na prática. Em uso urbano a diferença de performance pode influir pouco, mas sobressai contra a Fazer a menor capacidade de absorção das suspensões em piso irregular e consequentemente o conforto reduzido.

Ficha técnica Yamaha Fazer 250

Motor: 249,5cc, 1 cilindro, 2 válvulas, comando simples no cabeçote, refrigeração a ar

Diâmetro x curso: 62 mm x 49 mm

Taxa de compressão: 10,6:1

Potência: 21,3 cv a 8.000 rpm (20,9 cv a 8.100 rpm no dinamômetro)

Torque: 2,1 kgf.m a 6.500 rpm (2,13 kgf.m a 6.800 rpm no dinamômetro)

Alimentação: injeção eletrônica

Câmbio: 5 marchas

Chassi: diamond de aço

Suspensões: garfo telescópico na dianteira e monoamortecida com regulagem de pré-carga na traseira

Pneus: 100/80-17 na dianteira e 140/70-17 na traseira

Freios: disco de 282 mm com pinça de 2 pistões na dianteira e disco de 220 mm com pinça de 1 pistão na traseira

Comprimento: 2.015 mm

Largura: 770 mm

Altura: 1.070 mm

Altura do banco: 790 mm

Entreeixos: 1.360 mm

Distância do solo: 160 mm

Peso: 149 kg (ordem de marcha)

Tanque de combustível: 14 litros

Preço: R$ 14.990

Medições de desempenho Yamaha Fazer 250

Aceleração 0-100 km/h: 11s86

Frenagem 100-0 km/h: 53,25m

Tempo de volta: 1min18s65

Ficha técnica Honda CB Twister

Motor: 249,5cc, 1 cilindro, 4 válvulas, comando simples no cabeçote, refrigeração a ar

Diâmetro x curso: 71 mm x 63 mm

Taxa de compressão: 9,6:1

Potência: 22,4 cv a 7.500 rpm (23,4 cv a 7.800 rpm no dinamômetro)

Torque: 2,24 kgf.m a 6.000 rpm (2,41 kgf.m a 6.200 rpm no dinamômetro)

Alimentação: injeção eletrônica

Câmbio: 6 marchas

Chassi: diamond de aço

Suspensões: garfo telescópico na dianteira e monoamortecida com regulagem de pré-carga na traseira

Pneus: 110/70-17 na dianteira e 140/70-17 na traseira

Freios: disco de 276 mm com pinça de 2 pistões na dianteira e disco de 220 mm com pinça de 1 pistão na traseira

Comprimento: 2.065 mm

Largura: 753 mm

Altura: 1.720 mm

Altura do banco: 784 mm

Entreeixos: 1.386 mm

Distância do solo: 192 mm

Peso: 137 kg (seco)

Tanque de combustível: 16,5 litros

Preço: R$ 15.640 (R$ 14.100 sem ABS)

Medições de desempenho Honda CB Twister

Aceleração 0-100 km/h: 11s19

Frenagem 100-0 km/h: 48,93m

Tempo de volta: 1min15s44

Deixe seu comentário