Veja as Cinco motocicletas Nakeds de até R$ 40.000 mil

As "peladas", sem carenagem, oferecem versatilidade para quem busca uma moto para o dia-a-dia ou se divertir no final de semana. Escolha a sua!

0
Suzuki GSX-S 750 – R$ 36.533
Suzuki GSX-S 750 – R$ 36.533

As “peladas”, sem carenagem, oferecem versatilidade para quem busca uma moto para o dia-a-dia ou se divertir no final de semana. Escolha a sua!

Fizemos uma lista com cinco nakeds vendidas aqui e que custam até R$ 40.000. São motos com “cara de moto”, que oferecem versatilidade para o uso diário e diversão para um passeio de fim de semana. Qual a sua preferida?

Quer vender sua moto? Anuncie no site MOTO.com.br!  

Kawasaki Z 650 – R$ 32.990

Kawasaki Z 650 – R$ 32.990

Kawasaki trocou o nome e o visual pacato da antiga ER-6n por um design mais agressivo, repleto de linhas angulosas, na Z 650 2017. Mas não foi só isso: o quadro em treliça e a balança traseira são totalmente novas, o que resultou em uma perda de 19 kg: a nova Z 650 pesa 187 kg em ordem de marcha.

O motor, embora tenha a mesma arquitetura e capacidade cúbica (649 cm³), mudou tanto interna como externamente, com cilindros open-deck e novo comando de válvulas. A potênciacaiu 4 cv: de 72 para 68 cv a 8.000 rpm. A redução foi compensada pelo “regime” e também pelo bom torque da Z 650 desde os baixos giros. Uma naked ágil para a cidade e bem equipada: o painel ficou mais completo e os freios ABS são de série.

Honda CB 650F – R$ 33.500

Honda CB 650F – R$ 33.500
Honda CB 650F – R$ 33.500


Para atualizar sua naked média, a Honda começou por adorar uma identidade visual mais moderna com farol poligonal de LED, mas não foi só isso. O modelo 2018 ganhou uma suspensão dianteira mais sofisticada e progressiva, além de uma posição de pilotagem mais esportiva.

A esportividade da CB 650F também aparece no novo sistema de escapamento, com ponteira mais curta e ronco mais encorpado. A melhoria na alimentação resultou em um aumento de 1,5 cavalos na potência máxima do motor de quatro cilindros em linha: agora são 88,5 cv a 11.000 rpm. Com freios ABS de série, a Honda manteve o preço da CB 650F 2018. E ela continua sendo uma boa opção para quem curte os tetracilíndricos.

– Suzuki GSX-S 750 – R$ 36.533

Suzuki GSX-S 750 – R$ 36.533
Suzuki GSX-S 750 – R$ 36.533


Recém-lançada pela Suzuki, a GSX-S 750 também aposta em um motor de quatro cilindros, porém com mais capacidade e melhor desempenho.  Derivado da superesportiva GSX-R 750 de 2005, o propulsor de 749 cm³ oferece 114 cv de potência máxima a 10.500 giros.

Para ajudar a controlar toda essa potência, a naked japonesa tem garfo telescópico invertido KYB com tubos de 41 mm na dianteira; e monoamortecedor traseiro. O sistema de freios tem discos duplos na dianteira com pinças de fixação radial e ABS de série. Como diferencial a GSX-S 750 vem com controle de tração de série.

– Triumph Street Triple S – R$ 38.990

Triumph Street Triple S – R$ 38.990
Triumph Street Triple S – R$ 38.990


Completamente renovada para 2017, a Street Triple cresceu: o motor de três cilindros em linha passou de 675 cc para 765 cm³, que produz 113 cv de potência máxima (a 11.250 rpm) na versão “S”, de entrada. O modelo ainda traz dois modos de pilotagem, controle de tração comutável e freios ABS de série.

A versão “S” da nova Triumph Street Triple tem o mesmo quadro e motor da versão top de linha, “RS”, mas as suspensões e freios são mais “espartanos”: não se trata de pinças Brembo M50 e suspensões totalmente ajustáveis, mas quem precisa disso no dia-a-dia ? Por R$ 10.000 a menos do que a versão RS, você leva para casa o novo design da Street Triple e o mesmo motor que será utilizado no Campeonato Mundial de Moto2 a partir de 2019.

Yamaha MT-09 – R$ 39.770 

Yamaha MT-09 – R$ 39.770
Yamaha MT-09 – R$ 39.770

Um dos modelos de maior sucesso lançado pela Yamaha nos últimos anos, a MT-09 tem no seu visual agressivo e no motor de três cilindros em linha seus maiores argumentos de venda. Com 847 cm³ de capacidade (a maior de nossa lista), ela entrega 115 cv de potência máxima a 10.000 rpm e, de quebra, ainda oferece bom torque em baixos e médios regimes.

O quadro em alumínio faz dela uma moto leve: são apenas 191 kg em ordem de marcha. As suspensões têm bom curso para enfrentar as imperfeições do asfalto urbano, mas não oferecem regulagem. A eletrônica limita-se a três mapas de aceleração e freios ABS de série. Embora o modelo produzido pela Yamaha no Brasil esteja defasado em relação ao que é vendido no exterior, a MT-09 pode ser uma opção para quem busca uma naked nada convencional.

Deixe seu comentário