A revelação aconteceu em meio ao anúncio de recuperação judicial da Editora Central Gospel, comandada pelo líder religioso, fato este que fez com que o youtuber desabafasse sobre a máxima de que “tudo o que vai, volta”.

O Youtuber revelou que o pastor o condenou à prisão após ele ter exposto o esquema de boicote as empresas que apoiam a causa LGBTQ+, organizado pelo conservador.

“Quando me processou na justiça criminal, sua estratégia de silenciamento era de que eu ficaria com medo e aceitaria o acordo. Então ele apareceu na audiência de conciliação, pomposo, dizendo que era só eu deletar o vídeo e pedir desculpas publicamente que ele removeria o processo”, explicou Neto.

Resistente, Felipe ressaltou que jamais aceitaria a proposta e que na época, ao rebater o político, Malafaia teria ficado ‘uma fera’. “Ele achava que estava lidando com um menino do Youtube. Saiu de lá sabendo onde tinha se metido”, completou.

“O processo segue correndo. Ele busca minha condenação com sentença de prisão, simplesmente por eu ter feito meu papel de ser humano e defendido outros seres humanos”, desabafou o humorista, que afirmou que nunca abandonará a luta. 

RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Em 19 de junho de 2019, o pastor Silas Malafaia publicou um vídeo em seu perfil no Instagram explicando por que sua empresa pediu recuperação judicial.

“Para você ter uma ideia, hoje eu estou vendendo 25% do que eu vendia em 2015, a recuperação judicial é um instrumento legal, para que as empresas paguem suas dividas, se reestruturem e continuem o seu trabalho….eu só estou pedindo recuperação judicial para reestruturar essa empresa, pagar as dividas e continuar”, disse ele, entre outras coisas.

Silas Malafaia, continua o vídeo dizendo que se tivesse 150 milhões de dólares em patrimônio, como informou a Revista Forbes, não estaria pedindo recuperação judicial.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here