O Açude Epitácio Pessoa, na cidade de Boqueirão, região de Campina Grande, chegou a 20,36% da capacidade. O valor já é inferior aos 23,9% que permitiram o início do racionamento na região, em dezembro de 2014. Apesar disso, a Agência Executiva de Gestão de Águas (Aesa) informou na tarde desta quarta-feira (18) que não há planos para que o racionamento seja adotado novamente.

O presidente da Aesa, Porfírio Loureiro, explicou que a situação do açude hoje é diferente da de 2014. Segundo ele, além das chuvas de 2019 terem sido maiores, o reservatório tem ainda a transposição do Rio São Francisco, que foi inaugurada na Paraíba em março de 2017 e começou a garantir água para Boqueirão em abril daquele ano.

Porém, o açude de Boqueirão voltou a perder volume de 2018 a 2019 após vários problemas na vazão e liberação de água do São Francisco para a Paraíba. O mais recente deles ocorreu em Pernambuco e impede que a água seja bombeada. Somente nos últimos três meses, o açude teve uma redução de 23 milhões de metros cúbicos de água – uma queda de 18%.

Porfírio tem um encontro no fim da tarde desta quarta-feira (18), na sede da Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep), com empresários ligados aos setores industrial e comercial de Campina Grande e representantes de sindicatos. A reunião será conduzida pelo presidente interino da Fiep, Magno César Rossi, e servirá para que Loureiro explique que a região de Campina Grande não vai ter novo racionamento.

Na ocasião, serão discutidas ainda estratégias para evitar que Campina Grande e região enfrentem um novo desabastecimento de água, e vai ser abordada também a questão da manutenção no canal da transposição, que tem apresentado uma série de problemas estruturais, que comprometem o bombeamento da água até o Açude de Boqueirão desde o mês de fevereiro.

O presidente da Aesa disse ainda que o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), responsável pela transposição, deverá dar uma resposta quanto ao retorno do bombeamento da água do rio para a Paraíba até o fim de setembro.

RACIONAMENTO

O racionamento de água em Campina Grande seguiu de dezembro de 2014 até 25 agosto de 2017, mas ele não acabou de maneira rápida e sem impasses.

Na época, o Governo do Estado determinou o fim do racionamento quando o açude ainda não tinha alcançando nem 10% do volume depois da chegada da água a transposição.

De um lado, o Estado se adiantava em liberar os campinenses para o consumo diário de água nas torneiras, mas do outro, Ministério da Integração Nacional (hoje MDR), membros da Justiça e Ministério Público Federal se posicionavam contrários e atuavam para que o abastecimento reduzido fosse mantido.

O Governo do Estado acabou ganhando a batalha e conseguiu garantir a volta do abastecimento regular de água na região de Campina Grande após todos os impasses.

Com Portal Correio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.