“Ricardo tem muita resistência de um retorno a Prefeitura de João Pessoa, mas eu defendo muito o nome dele. Se o PSB achar que sou um dos nomes estou a disposição”. A fala é da deputada estadual Cida Ramos (PSB) que foi a entrevistada desta quarta-feira (20) no programa Correio Debate, da Rede Correio Sat.

Leia também: Governistas comandam principais comissões na Assembleia Legislativa

Cida também falou sobre as primeiras impressões que teve na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) e a desistência de presidir a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

“O parlamento é um espaço d muitos embates e muitas discussões. Dentro da base tinham várias pessoas querendo ocupar a CCJ. Não é que eu fui dragada (de presidir a CCJ), mas ponderei e achei mais pertinente estar na Comissão de Direitos Humanos, que é onde me sinto melhor”, disse Cida Ramos.

A deputada também foi questionada sobre a proposta da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Feminicídio. Segundo Cida, o objetivo da Comissão é discutir sobre a violência contra as mulheres e os casos de mulheres assassinadas não resolvidos.

“O feminicídio é um tema que domina o Brasil e o mundo. A Paraíba não é um paraíso, mas avançou bastantes nos últimos anos no combate ao feminicídio. Porém, precisamos discutir esse tema em uma CPI, chamando secretários, delegados e o sistema Judiciário para tratar sobre o assunto”, afirmou a deputada.

CPI do Trauma e Cruz Vermelha

Sobre a intenção da oposição em instalar uma CPI da Cruz Vermelha e o argumento de que o Governo arquitetou quatro CPIs para não dar brecha a oposição, a deputada afirmou que faltou argumento e objetivo aos opositores.

“A oposição não tem argumentos e nem elementos para a CPI na medida que o Ministério Público segue fazendo a investigação. Em momento algum eu inibi a oposição de instalar uma CPI. Não vou aceitar que digam que uma CPI inviabiliza a outra. Fiz uma CPI com base em dados que são noticiados o tempo inteiro. Na minha eleição esse foi um dos temas que eu pautei. Estou cumprindo com o meu papel, que é de propor”, falou Cida Ramos.

Questionada sobre se os secretários Waldson de Souza e Livânia Farias, investigados pelo Ministério Público por envolvimento no esquema da Operação Calvário, deveriam sair do governo, Cida Ramos argumentou que não vê elementos para isso.

Por fim, Cida falou que tem o nome postulado para ser a candidata do PSB em 2020 para a disputada da Prefeitura de João Pessoa, mas que o ex-governador Ricardo Coutinho ainda é o nome principal do partido para a candidatura.

O post Ricardo tem resistência em voltar a ser prefeito de JP, diz Cida Ramos apareceu primeiro em Portal Correio.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.