Ricardo Coutinho teve seus bens bloqueados.

O ex-governador Ricardo Coutinho teve seus bens bloqueados, além de outras oito pessoas que foram denunciadas pelo Ministério Público de Paraíba (MPPB). 

A decisão foi realizada no dia 11 de junho, e o processo corre em segredo de justiça. 

A operação chamada “Calvário” foi desencadeada em dezembro de 2018, a fim de desarticular uma organização criminosa.

O advogado do ex-governador, Eduardo Cavalcanti anunciou que Ricardo Coutinho recorreu a essa decisão, pedindo a liberação do valor bloqueado. 

“se trata de bloqueio que recaiu sobre numerário que tem origem lícita e corresponde a verbas salariais do ex-governador” 

Além disso, o advogado afirma que não há bens em nome do ex-governador que correspondam ao valor bloqueado, além de que a decisão tomada menciona o valor de R$6 milhões, e apenas foram bloqueados 1% referente a esse valor. 

As outras oito pessoas que tiveram seus bens bloqueados foram:

  • O ex-senador Ney Suassuna e seu filho, Fabrício Suassuna
  • Os ex-secretários Aracilba Rocha e Waldson de Souza
  • O ex-procurador-geral da Paraíba Gilberto Carneiro
  • Os ex-superintendentes do Hospital de Trauma de João Pessoa, Edmon Gomes e Saulo Avelar
  • Enfim, o ex-diretor da Cruz Vermelha Brasileira no Rio Grande do Sul, Sidney Schmid. 

Todos são acusados de fazer parte de uma organização criminosa que atuava na Paraíba durante o mandato de Ricardo Coutinho.

De acordo com o processo, o ex-governador desviava dinheiro da saúde por meio de contratos com algumas Organizações Sociais. 

De acordo com a decisão, foram bloqueados cerca de R$ 6,5 milhões em bens de Ricardo Coutinho e de Waldson de Souza.

Já Edmon Gomes Filho e Saulo Avelar tiveram cerca de R$ 2,5 milhões apreendidos.

Além disso, cerca de R$ 1 milhão foram bloqueados de Gilberto Carneiro e Sidney Schmid.

Por fim, R$ 500 mil foram tomados de Ney Suassuna, Fabrício Suassuna e Aracilba Rocha. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.