A PGR classificou de ilegal a decisão liminar do ministro do STJ Napoleão Nunes Maia que tirou  da prisão o ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho, apontado como líder de suposta organização criminosa investigada na Operação Calvário.

De acordo com O Antagonista, em pareceres enviados ao STF contra pedidos de liberdade de outros investigados, o MPF afirma que a cautelar de Napoleão “pôs em risco a ordem pública na medida em que permitiu que a organização continue atuando”. A manifestação ressalta ainda que a posição do contrariou a posição da relatora, Laurita Vaz, manifestada em relação a outros investigados.

Segundo a PGR, a soltura ainda “gerou no meio social a dúvida sobre qual a ordem que vigora no Estado da Paraíba: a ordem constitucional imposta pela decisão que impôs a prisão preventiva aos integrantes do grupo criminoso, ou a ordem criminosa que vigeu no Estado por mais de 8 anos”.

O documento diz ainda que o “grupo criminoso comandado por Ricardo Coutinho continua agindo no governo de João Azevêdo, que assumiu em 2019, por meio da indicação dos seus agentes para compor a cúpula da nova administração”.

Entre os alvos que a PGR defende, está a manutenção da prisão está Coriolano Coutinho, irmão do ex-governador. A Calvário investiga a suposta atuação de uma organização criminosa que teria desviado R$134,2 milhões de serviços de saúde e educação. A PGR já recorreu para tentar prender Coutinho novamente.

Ta na área

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.