O presidente estadual do PSOL, Tárcio Teixeira, disse, nesta segunda-feira (11), acreditar que os secretários citados no escândalo da Cruz Vermelha na Paraíba deverão pedir afastamento dos cargos que ocupam no Governo do Estado. Já o deputado federal Ruy Carneiro, que também preside o PSDB no estado, espera que o ex-governador Ricardo Coutinho e o atual gestor sejam ouvidos.

Leia também: Deputado cobra afastamento de secretários citados na ‘Calvário’

Após a deflagração da 2ª fase da Operação Calvário, no dia 1º deste mês, áudios com conversas entre o procurador Gilberto Carneiro, e o secretário Waldson de Souza, foram divulgados com supostas negociações de uma licitação que seria feita na Secretaria de Saúde, em 2012.

Em contato com o Portal Correio, Tárcio lembrou que desde 2011 o partido vem alertando para os problemas que esse tipo de contratação poderia causar e cobrou transparência nas investigações. Em nota divulgada pela direção estadual, o PSOL pediu também a divulgação dos relatórios das atividades da comissão interna criada pelo governador João Azevedo para apurar as denúncias envolvendo a Cruz Vermelha, e a terceirização da saúde na Paraíba. “Entendemos que o melhor nesse instante é que esses secretários sejam afastados, e haja rigor e transparência nas investigações do caso”, disse.

Ruy diz que situação de secretários é insustentável

Para o deputado Ruy Carneiro, a situação dos secretários citados no escândalo da Cruz Vermelha é insustentável. Ele disse que as denúncias contra eles são gravíssimas e espera o afastamento dos auxiliares para que as investigações aconteçam da melhor forma. “A lógica manda que eles sejam afastados, pois o silêncio é a pior resposta nesse momento para a sociedade”, comentou.

Ruy também disse ao Portal Correio que o ex-governador Ricardo Coutinho e o atual João Azevêdo devem ser ouvidos, pois segundo ele, as denúncias trazem fatos que acontecem há um bom tempo no estado.

 

O post Partidos esperam afastamento de secretários citados na ‘Calvário’ apareceu primeiro em Portal Correio .

Deixe seu comentário