O Ministério Público da Paraíba (MPPB) ajuizou uma ação de execução de termo de ajustamento de conduta (TAC) contra o Município de Caaporã (no Litoral Sul da Paraíba, a 45 km de João Pessoa) e a empresa Santa Fé Construções para que concluam, no prazo de 30 dias, a obra de saneamento básico no município, inclusive a execução das estações elevatórias da obra de esgotamento sanitário e fornecimento de energia elétrica.

Segundo a promotora de Justiça Cassiana Mendes de Sá, a obra de saneamento está prevista no convênio firmado entre a prefeitura e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que já havia repassado R$ 8,7 milhões ao Município para a execução das obras sanitárias. Os serviços estavam previstos para serem iniciados em 2012 e concluídos em 18 meses. No entanto, em visita técnica realizada em março de 2017 foi constatado que apenas 68% das obras estavam executadas.

Diante da situação, a Promotoria de Caaporã propôs que fosse firmado um TAC para garantir maior celeridade e transparência na conclusão dos serviços. Em audiência realizada em junho do ano passado, foi informado que o convênio tinha sido prorrogado até 15 de junho deste ano e que o saldo remanescente na conta do Banco do Brasil no montante de R$ 1 milhão seria suficiente para a conclusão da obra.

O TAC foi firmado em setembro do ano passado. Nele ficou estabelecido que o Município de Caaporã e a empresa Santa Fé concluiriam a obra de saneamento básico de Caaporã até 15 de junho de 2018. Na época, a obra já se encontrava 80% concluída.

A promotoria instaurou um procedimento administrativo para acompanhar o cumprimento do termo de ajustamento. Segundo a promotora, diversos expedientes foram encaminhados à prefeitura e à empresa, mas não foi comprovada a execução das obrigações formalizadas no TAC nem apresentadas justificativas para sua não realização.

Pedidos

A ação pede ainda que a prefeitura de Caaporã providencie, após a conclusão da obra, no prazo de 15 dias, a licença de operação junto ao órgão ambiental, e, no prazo de 30 dias, as ações necessárias a garantir a sustentabilidade, nos termos acordados com a Funasa. Além disso, a prefeitura deve promover campanhas educativas com a população.

Também é pedido o bloqueio do saldo remanescente na conta do Banco do Brasil para garantir a viabilidade da conclusão das obras e sua destinação correta, devendo, apenas, conceder sua liberação quando comprovada a regularidade e retomada dos serviços e obras.

A Redação do Portal Correio tentou falar com representantes da Prefeitura de Caaporã e da empresa Santa Fé Construções, mas não foi possível se estabelecer contato até o fechamento desta matéria.

O post MP ajuíza ação para garantir conclusão do saneamento de Caaporã apareceu primeiro em Portal Correio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.