Ministério Público Federal suspende atendimento no Centro de Especialidades Odontológicas de Sumé, no Cariri
Sumé

Ministério Público Federal suspende atendimento no Centro de Especialidades Odontológicas de Sumé, no Cariri

Cerca de R$ 9 milhões teriam sido desviados, segundo as investigações. Empresa nega ter participado de qualquer esquema criminoso

Ministério Público Federal suspende atendimento no Centro de Especialidades Odontológicas de Sumé, no Cariri

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou que o atendimento no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) de Sumé, no Cariri paraibano, a 264 km de João Pessoa, foi suspenso pela empresa responsável, alvo da Operação Titânio, deflagrada no dia 7 deste mês.

 

A operação apura irregularidades na contratação e execução de serviços de implantes dentários no âmbito do Programa Brasil Sorridente, custeado com recursos do Sistema Único de Saúde (SUS). Cerca de R$ 9 milhões teriam sido desviados, segundo as investigações.

Em comunicado à imprensa, o MPF diz que a decisão de suspender o atendimento partiu da própria empresa. “Foi um ato unilateral da empresa e não partiu do MPF, nem da Controladoria-Geral da União, nem da Polícia Federal. Nem houve decisão judicial nesse sentido”, garantiu o órgão.

O MPF ainda acrescentou que “durante o cumprimento dos mandados judiciais de apreensão de documentos na empresa, a Polícia Federal teve a cautela de só apreender documentação de tratamentos que já estavam encerrados”.

Três dias após a deflagração da Operação Titânio, a empresa investigada divulgou uma nota negando que tivesse participado de qualquer esquema criminoso. O texto chegou a dizer que os atendimentos continuariam normalmente e trazia dados de serviços, como preços e números de pessoas assistidas.

Até a publicação desta matéria, a empresa não tinha se pronunciado sobre a suspensão do atendimento no Centro de Especialidades Odontológicas.

Tags

Artigos relacionados

Deixe seu comentário

Fechar