Ministério da Agricultura proibiu, na terça-feira (17), a comercialização de nove marcas de produtos de azeite de oliva extra virgem sob suspeita de fraude.

Na operação, foram apreendidos mais de três mil frascos. Segundo a polícia, o que era vendido como azeite de oliva extravirgem, seria, na verdade, óleo de soja.

Em nota, o ministério afirma que “os investigados criavam as marcas, supostamente importadas, e colocavam para venda no mercado nacional”. O G1 não encontrou o contato das marcas.

“A adulteração e falsificação de azeite de oliva não se trata exclusivamente de fraude ao consumidor, mas de crime contra a saúde pública”, declarou o coordenador-geral de Qualidade Vegetal da Secretaria de Defesa Agropecuária, Hugo Caruso.

Veja a lista das marcas proibidas:

  • Casalberto
  • Conde de Torres
  • Donana (Premium)
  • Flor de Espanha
  • La Valenciana
  • Porto Valência
  • Serra das Oliveiras
  • Serra de Montejunto
  • Torezani (Premium)

 

Mandados e prisão

 

Frascos de azeite adulterados são apreendidos na Grande Vitória, no ES  — Foto: Divulgação/ PCES

Frascos de azeite adulterados são apreendidos na Grande Vitória, no ES — Foto: Divulgação/ PCES

A operação deflagrada pela Polícia Civil do ES foi realizada por meio da Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon).

No total, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, e um mandado de prisão de um cubano, suspeito de chefiar o esquema de falsificação de azeites.

Os mandados foram feitos em três residências e duas empresas, localizadas nos municípios de Vila Velha e Cariacica.

Os produtos eram comercializados na Grande Vitória e no interior do Espírito Santo. As empresas investigadas também vendiam os produtos para os estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e da região Nordeste.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.