Nesta quinta-feira (23), a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba denegou, por unanimidade e em harmonia com o parecer ministerial, a ordem de Habeas Corpus nº 0812125-12.2019.815.0000 em favor de Manoel Pereira Quintans, preso por tráfico ilícito de entorpecentes e posse irregular de munição de uso permitido.

O relator do pedido foi o juiz convocado Tércio Chaves de Moura.

De acordo com os autos, o réu foi preso no dia 24 de março de 2019, na cidade de Sumé, Cariri paraibano, pela prática, em tese, do crime previsto na Lei nº 11.343/2006.

A defesa alega que os objetos apreendidos na residência do paciente eram de sua namorada, sobre os quais não tinha ele ciência.

Aponta como condições pessoais favoráveis ao paciente: ter residência fixa em Sapé, ocupação lícita, ser idoso (maior de 70 anos de idade) e primário.

Por fim, pleiteou a revogação da prisão preventiva com a imposição de medidas cautelares ou mesmo a decretação de prisão domiciliar ou monitoramento eletrônico.

Ao denegar o pedido, o juiz convocado, Tércio Chaves, ressalta que estão presentes a materialidade e os indícios suficiente de autoria.

Quanto aos atributos pessoais do paciente, invocados pela defesa, o relator afirma que, não são, por si sós, suficientes para revogar a custódia cautelar, quando presentes os motivos para a sua manutenção.

“Ainda que o paciente seja primário, com bons antecedentes e possua residência fixa (condições pessoais favoráveis), as circunstâncias fáticas, como já mencionado, impossibilitam a conversão, ao considerar a existência de indícios de que o acusado se dedica ao tráfico de drogas, participando, inclusive, de organização, a evidenciar a sua periculosidade social “, disse o magistrado.

Desta decisão cabe recurso.

Maior Rede de comunicação do Cariri Paraibano, Envie sua sugestão para nosso WhatsApp (83) 9.9855-1048 / portaltvcariri@gmail.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.