Os nomes dos 45 presidiários do PB1 que seguem foragidos, após a fuga em massa de 92 detentos no presídio de segurança máxima em João Pessoa, foram incluídos pela Polícia Federal na lista da Interpol. A inclusão do dos fugitivos do presídio de segurança máxima Romeu Gonçalves Abrantes foi informada pela PF nesta segunda-feira (17).

Segundo informações da Polícia Militar, os fugitivos foram incluídos na difusão laranja da interpol e tem como objetivo avisar aos países vizinhos sobre um evento, uma pessoa, um objeto ou um processo que representa uma ameaça grave e iminente à segurança pública.

Após a notificação, todos os países que fazem parte da Interpol estão alertados sobre a fuga ocorrida no presídio PB1 na madrugada do dia 10 de setembro. O último fugitivo recapturado foi localizado na casa da esposa, embaixo de uma cama, no sábado (15) em João Pessoa, com a recaptura, a lista dos foragidos caiu para 45.

Para ajudar a população na localização dos fugitivos do PB1, a Secretaria de Segurança e da Defesa Social (Seds), disponibilizou um portal na internet, o Portal da Cidadania, com a lista dos presidiários que fugiram do presídio do PB1 e que ainda não foram recapturados.

Presídio de Segurança Máxima foi atacado na madrugada desta segunda-feira (10), em João Pessoa — Foto: Walter Paparazzo/G1

fuga começou com pessoas atirando de dentro da mata que fica próxima ao presídio. Segundo informações da Polícia Militar, cerca de 20 homens chegaram em quatro carros e dispararam várias vezes contra as guaritas, o alojamento e o portão principal. Havia grande quantidade de armamento, inclusive fuzis ponto 50, que têm capacidade para perfurar uma parede. Por causa da munição utilizada pelos criminosos, os agentes penitenciários tiveram que se abrigar.

Com isso, os criminosos conseguiram se aproximar e utilizar explosivos no portão da frente e da lateral do PB1, tendo, assim, acesso à unidade prisional. Com um alicate, eles arrombaram os cadeados para libertar Romário Gomes Silveira, alvo do resgate e suspeito de explosões a bancos e carros-forte. Após ele ser resgatado, outros presos também pegam os alicates para abrir as celas.

O secretário de administração penitenciária, Sérgio Fonseca, declarou que no circuito de câmeras do presídio foi observado que quando os criminosos entram no PB1 e invadem o pavilhão, vão diretamente na cela de Romário. Quando ele sai, recebe um fuzil e comanda a ação de fuga.

Durante a fuga dos detentos, um tente da Polícia Militar foi baleado na cabeça, próximo a Academia de Polícia Civil (Acadepol), na PB-008, após uma troca de tiros. Ele foi levado para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, mas não resistiu aos ferimentos e teve a morte cerebral confirmada na tarde desta segunda-feira (10).

Detentos estão sendo recapturadas desde a madrugada desta segunda-feira (10) — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

O presídio tem capacidade para 660 presos e atualmente tinha cerca de 680 detentos, conforme o secretário Sérgio Fonseca. De acordo com o sistema Geopresídios, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a unidade prisional tinha 681 presos em 644 vagas.

De acordo com a Polícia Militar, as equipes foram reforçadas nas divisas da Paraíba e houve a articulação com outros polícias e com as forças de segurança dos estados de Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará, para localização e recaptura dos detentos.

Mais da metade dos fugitivos recapturados do presídio PB1 foram localizados a partir de telefonemas anônimos da população de João Pessoa. O coronel Arnaldo Sobrinho, coordenador do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), destacou que cerca de 60% dos 45 fugitivos recapturados foram pegos a partir de informações diretas dos cidadão, tanto pelo 190, número do Ciop, quanto pelo Disque-denúncia 197.

Desde a fuga em massa do PB1, foram feitas mais de 15 mil ligações com alguma informação sobre algum fugitivo. Dessas chamadas, com base nos indícios reportados, foram feitas cerca 500 averiguações pela Polícia Militar.

LEIA TAMBÉM:

Deixe seu comentário