ESCOLIOSE, CAUSAS SINTOMAS E TRATAMENTO; DOENÇA DA COLUNA

Veja quais são as Causas, Sintomas e Tratamento para ESCOLIOSE

0

Veja as Causas, Sintomas e Tratamento para ESCOLIOSE a doença da Coluna – Hérnia de Disco

A coluna vertebral pode assumir patologicamente uma posição de desalinhamento, contorcendo-se em seu próprio eixo, inclinando-se para frente ou para trás e para os lados; ou seja, em um plano tridimensional.

Essa deformidade é conhecida como escoliose e pode se manifestar desde a infância com maior incidência em mulheres. Classifica-se em dois tipos: funcional e estrutural. No tipo funcional, a deformidade ainda não está instalada definitivamente, pois não atinge as estruturas ósseas, somente os músculos; e no tipo estrutural, a curvatura já atinge as vértebras e se fixa.

CAUSAS DA ESCOLIOSE

  • Idiopática : causa desconhecida (70% dos casos)
  • Neuromuscular : seqüela de doenças neurológicas, como por exemplo poliomielite, paralisia cerebral.
  • Congênita : oriunda de uma má-formação
  • Pós-traumática

DIAGNÓSTICO

dv dornascostas ok e1494439996529 - ESCOLIOSE, CAUSAS SINTOMAS E TRATAMENTO; DOENÇA DA COLUNA
ESCOLIOSE, CAUSAS SINTOMAS E TRATAMENTO; DOENÇA DA COLUNA

O diagnóstico é feito através de testes clínicos e de radiografias. Em todos os casos de escoliose, é importante o diagnóstico precoce e a avaliação clínica completa e radiológica do paciente.A avaliação postural faz parte da avaliação clínica, sendo de fundamental importância para o diagnóstico. Nela, o examinador compara os dois hemicorpos do indivíduo nas vistas anterior, posterior e lateral, observando possíveis diferenças e assimetrias ( Calliet, 1979). O controle da evolução sistemática é a forma de minimizar os danos dessa patologia que, quando não tratada corretamente, pode causar danos irreparáveis.

Neuromusculares

Sequela de doenças neurológicas, como a poliomieliteparalisia cerebral e distrofia muscular ou seja, de fraqueza muscular.

Este tipo apresenta um comportamento bastante diferente das curvas escolióticas idiopáticas, apresentando uma longa curva em forma de um “C”.

Congênita

Oriunda de anomalias na má-formação ou da divisão das vértebras que se apresentam desde o dia do nascimento. É responsável por 10% dos casos.

Pós-traumática

Doenças do tecido conjuntivo como a Síndrome de Marfan e/ou anomalias cromossômicas como a Síndrome de Down, entre outras.

Degenerativa do Adulto

escoliose 12625 w696 - ESCOLIOSE, CAUSAS SINTOMAS E TRATAMENTO; DOENÇA DA COLUNA
ESCOLIOSE, CAUSAS SINTOMAS E TRATAMENTO; DOENÇA DA COLUNA

Em adultos pode ser resultado também da progressão de uma deformidade que não foi diagnosticada na adolescência. Ou ainda ser causada pela degeneração dos discos da coluna vertebral e de suas articulações em uma coluna previamente sadia, como resultados típicos do avanço da idade.

A escoliose tem influência genética comprovada, sendo assim, é comum ver mais de um membro da mesma família com a doença. Não é associada à má postura ou carregamento de peso nas costas.

Contudo, a causa do desenvolvimento das curvaturas da coluna, bem como algumas curvas desenvolverem mais do que outras ainda é desconhecida. Geralmente, tem início durante a adolescência, mas também pode ocorrer em outros períodos da vida.

Crianças saudáveis podem ter escoliose, acometendo mais as meninas, cerca de 5 a 8 vezes mais do que os meninos. Se não for severa o bastante, a escoliose pode não ser percebida na fase da adolescência, ou ser acompanhada pelo médico e não apresentar progressão que necessite intervenção cirúrgica.

osteoporose também pode causar aumento rápido das curvas pela alteração do formato dos ossos.

Classificações da Escoliose quanto às suas causas

ESCOLIOSE, CAUSAS SINTOMAS E TRATAMENTO; DOENÇA DA COLUNA
ESCOLIOSE, CAUSAS SINTOMAS E TRATAMENTO; DOENÇA DA COLUNA

Escoliose não estruturadas:

  • Escolioses posturais: acomete mais os adolescentes, as curvas são leves e desaparecem por completo com a flexão da coluna vertebral ou bem com o decúbito.
  • Escolioses secundárias e dismetria: a diferente longitude dos membros inferiores levam a uma obliqüidade pélvica e secundariamente a uma curva vertebral.

A curva desaparece quando o paciente senta-se ou ao compensar a dismetria com a alça do sapato correspondente. Da mesma forma pode corrigir o comprimento da perna (sem cirurgia) caso encontre quem o saiba fazer.

Escoliose estruturada transitoriamente:

  • Escoliose ciática: secundária a uma hérnia discal, pela irritação das raízes nervosas. Com a cura da lesão desaparece a curva.
  • Escoliose inflamatória: em casos de apendicite ou bem abscessos perinefrítico.

Escoliose estruturada:

  • Escoliose idiopática: na maioria dos casos é hereditária. Provavelmente, é uma herança multifatorial, bem como o grupo mais frequente das escolioses. Segundo a idade de aparição há três tipos:
  1. Infantil: antes dos três anos de idade: Geralmente são muito graves, pois ao final do crescimento podem vir a apresentar uma angulação superior a 100 graus.
  2. Juvenil: desde os três até os 10 anos.
  3. Adolescente: desde os 10 anos até a maturidade: Após a primeira menstruação e ao final da puberdade antes da maturidade óssea completa
  • Escoliose congênita: provavelmente não é hereditária, se não o resultado de uma alteração ocorrida no período embrionário:

  1. Defeito de forma vertebral.
  2. Vértebra em cunha.
  3. Hemivertébra.
  4. Defeito de segmento vertebral.
  5. Unilateral (barra).
  6. Bilateral (bloco vertebral).
  7. Funções costais congênitas.
  8. Complexas.

Deixe seu comentário