CGEA PB: Divulgação da última estimativa da safra agrícola para 2017

O Grupo de Coordenação das Estatísticas Agropecuárias da Paraíba – GCEA-PB
divulga os dados da safra agrícola para o ano de 2017, coletada ao longo do mês de
novembro do corrente ano, tomando como referência a última estimativa realizada no mês
de julho.

Essas informações complementam o ciclo de estimativas que teve início com o
prognóstico divulgado em janeiro e foi acompanhando as alterações conjunturais ao longo
do ano, que tiveram impacto na agricultura da Paraíba, culminado na consolidação dos
dados da safra de 2017, a partir da atualização dos dados em campo.

As informações foram obtidas pela rede de coleta do IBGE, mediante consulta às
Comissões Municipais de Estatísticas Agropecuárias – COMEAs, constituídas por
Produtores Rurais, Secretarias Municipais de Agricultura, Instituições Oficiais de Crédito e
Técnicos da EMATER-PB que, juntos, realizaram estimativas das áreas em produção,
bem como daquelas destinadas a novos cultivos em todos os municípios da Paraíba.

Ao todo, foram obtidos dados referentes a 40 produtos, cuja área explorada alcançou um
total de 392.046 hectares, dos quais 206.167 ocupados com lavouras temporárias e
185.879 com culturas permanentes.
Também foram observados aspectos climáticos e hídricos, além da atual condição
das pastagens.

1- SITUAÇÃO DA ÁREA PLANTADA E DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA

No mês de novembro, a área explorada com leguminosas, oleaginosas e cereais
totalizou 179.501 hectares. Quando comparada com a área estimada no mês de julho,
que foi de 182.746 hectares, observa-se uma queda de 8,16% na superfície cultivada.
Ao se comparar a produção de grãos deste mês, estimada em 54.374 toneladas, com
a do último levantamento, que totalizava 72.832 toneladas, observa-se redução de
25,33%.

Os produtos que apresentam maiores declínios na produção em relação ao
levantamento anterior são os seguintes: feijão (29,37%), milho em grão (25,65%) e
amendoim (12,33%). Com alteração positiva, destaca-se apenas o algodão, com 19,66%.

Os municípios que apresentaram as maiores quedas nas áreas plantadas com milho e
feijão foram Cacimba de Dentro, Campina Grande e Massaranduba, reavaliadas nessa
última verificação de campo.

Quando se compara a safra atual de grãos com a do ano passado (24.579 ton)
verifica-se um aumento de 121,22%, enquanto a área plantada mostra ampliação de
7,47%.

A mesorregião do Agreste, apresentando os melhores rendimentos nas culturas
temporárias, contribuiu com cerca de 70,00% do volume de grãos e oleaginosas na safra
de 2017.

2-SITUAÇÃO DOS PRINCIPAIS PRODUTOS

Abacaxi – A área destinada a colheita totalizou 12.136 hectares, com variação positiva de
6,36% em relação a pesquisa anterior. A produção de 337.832 milhões de frutos ficou
1,0% abaixo da que era esperada em julho. As variações decorreram especialmente de
reavaliações nos municípios de Araçagi, onde constam áreas que estão sendo
arrendadas por produtores de Itapororoca e áreas novas.

Algodão Herbáceo – Em relação ao mês de julho observou-se crescimento de 22,06% na
área e 22,06% na produção. Essas variações ainda são reflexos dos esforços integrados
da Emater/PB e Embrapa Algodão, que incentivam a ampliação da área plantada com a
cultura, especialmente direcionadas à Agricultura Familiar. Os agricultores relatam que o
interesse pela cultura tem aumentado, devido aos resultados de experiências bemsucedidas,
como é o caso do Assentamento Margarida Alves, utilizando-se, inclusive, do
sistema de certificação comunitária para produtos de origem orgânica. A safra deste ano
foi de 347 toneladas colhidas em 415 hectares.

Amendoim – Registrou-se queda de 19,30% na área e 12,33% na produção, em relação
a julho. De acordo com o levantamento, 569 toneladas de amendoim foram colhidas, em
527 hectares.

Arroz – A superfície cultivada diminuiu 2,61%, em relação ao levantamento anterior, mas
quando comparada ao ano passado, superou em 33,55% o tamanho da área. Com bons
rendimentos observados em iniciativas individuais de produtores em alguns municípios,
foi possível observar um aumento de 375,00% na produção de arroz, se comparada com
a safra de 2016, que foi mensurada em 156 toneladas naquele ano e em 2017 alcançou
741 toneladas. O município de Sousa é um desses exemplos pontuais bem-sucedidos.

Banana – A área destinada a colheita ficou 6,83% menor, ao passo que a produção caiu
11,56% em relação a julho. No último levantamento já havia sido assinalada redução na área de banana em diversos municípios como Boqueirão, Gabo Bravo, Santa Helena,
Aparecida e Itaporanga, como efeito da estiagem.

Outro fenômeno também já observado em julho foi aumento de área plantada na região de Areia, cujos índices pluviométricos e a maior demanda pelo consumo do fruto foram decisivos para implantação de novos plantios. A área colhida foi de 9.868 hectares e 121.412 toneladas produzidas do fruto.

Batata Doce – A área plantada caiu 1,82% em relação a julho e, com expressiva queda de
rendimento, a produção alcançou apenas 35.800 toneladas no Estado, 18,25% inferior à
última estimativa. Vários municípios da jurisdição de Pombal apresentaram perda total
nas áreas plantadas.

Batata Inglesa – A superfície cultivada de 45 hectares e a produção de 270 toneladas
representam redução de 27,42% na área colhida e de 46,85% na quantidade produzida
na safra de 2017. A pouca disponibilidade da semente da batatinha e o preço elevado das
mesmas foram relevantes para que cultivos estimados no início do ano não tenham sido
efetivamente plantados.

Cana-de-Açúcar – A área colhida e a respectiva produção sofreram grandes alterações,
reduzindo 20,60% e 21,74%, respectivamente, em relação a julho. Os dados da cana-de-açúcar, foram reavaliados em campo, especialmente nos municípios da Mata Paraibana,
mesorregião que concentra as áreas de usinas e de produtores, que fornecem parte
significativa da cana utilizada para moagem nesses estabelecimentos. Além de mudança
de finalidade em alumas áreas, foi observada redução no fluxo de insumos e queda de
atividade em algumas usinas, impactando os valores finais de produção e área
plantada/colhida em 2017. Os dados finais para a safra desse ano contemplam 5.197.132
toneladas, colhidas em 97.164 hectares.

Feijão – A área destinada à colheita totalizou 72.666 hectares, sendo que desse total,
21.933 referem-se ao feijão-mulatinho e 50.733 ao feijão macassar. Comparando-se com
o levantamento anterior observou-se redução de 10,70% na área e de 29,37% na
produção, consolidada em 21.235 toneladas.  A mesorregião do Agreste Paraibano, devido
às suas características climáticas e ocorrência de chuvas no período decisivo para o bom
desenvolvimento da cultura do feijão, garantiu 72,95% de toda a produção levantada para
o Estado na safra de 2017. Em contrapartida, nos municípios que compõem o Sertão
Paraibano, os rendimentos dessa cultura alcançaram uma média de 150 kg/Ha, o que
correspondeu a apenas 17,57% da produção.

Mandioca – A área em produção totalizou 15.406 hectares, com redução de apenas
1,20% na superfície plantada, quando comparada com julho. A produção de 146.141
toneladas, apresentou queda de 1,90%, relativos ao mesmo período de comparação.
Essa informação inclui tanto dados de mandioca com finalidade para indústria, quanto
para mesa.

Laranja – A cultura apresentou variação negativa de 0,17% de área e de 0,62% na
produção, quando comparada com o levantamento anterior. Foram colhidas 3.659
toneladas, numa área de 586 hectares, confirmando a reavaliação de área realizada
anteriormente.

Castanha de Caju – É possível ver nos números, redução de 10,17% hectares na área
destinada à colheita, em relação ao levantamento passado, totalizando 3.420 hectares.
Foram colhidas 910 toneladas, um volume 17,20% menor que a produção estimada em
julho. Entretanto, superou em 3,88% as 876 toneladas colhidas em 2016.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.